2.12.11

Poema




                                                                   Gyula Halász. Brassai.

28.11.11

Janela do caos



1


Tudo se passa
Em Egitos de corredores aéreos
Em galerias sem lâmpadas
À espera de que Alguém
Desfira o violoncelo
- Ou teu coração?
Azul de guerra.


2


Telefonam embrulhos,
Telefonam lamentos,
Inúteis encontros,
Bocejos e remorsos.
Ah! Quem telefonaria o consolo
O puro orvalho
E a carruagem de cristal.


3


Tu não carregaste pianos
Nem carregaste pedras
Mas na tua alma subsiste
- Ninguém se recorda
E as praias antecedentes ouviram -
O canto dos carregadores de pianos,
O canto dos carregadores de pedras.



4


O céu cai das pombas.
Ecos de uma banda de música
Voam da casa dos expostos.
Não serás antepassado
Porque não tiveste filhos:
Sempre serás futuro para os poetas.
Ao longe o mar reduzido
Balindo inocente.


5


Harmonia do terror
Quando a alma destrói o perdão
E o ciclo das flores se fecha
No particular e no geral:
Nenhum som de flauta,
Nem mesmo um templo grego
Sobre colina azul
Decidiria o gesto recuperador.
Fome, litoral sem coros,
Duro parto da morte.
A terra abre-se em sangue,
Abandona o branco Abel
Oculto de Deus.


6


A infância vem da eternidade.
Depois só a morte magnífica
- Destruição da mordaça:
E talvez já a tivesses entrevisto
Quando brincavas com o pião
Ou quando desmontaste o besouro.
Entre duas eternidades
Balançam-se espantosas
Fome de amor e a música:
Rude doçura,
Última passagem livre.
Só vemos o céu pelo avesso.


7


Cai das sombras das pirâmides
Este desejo de obscuridade.
Enigma, inocência bárbara,
Pássaros galopando elementos
Do fundo céu
Irrompem nuvens eqüestres.
Onde estão os braços comunicantes
E os pára-quedistas da justiça?
Vultos encouraçados presidem
À sabotagem das harpas.


8


Que esperam todos?
O vento dos crimes noturnos
Destrói augustas colheitas,
Águas ásperas bravias
Fertilizam os cemitérios.
As mães despejam do ventre
Os fantasmas de outra guerra.
Nenhum sinal de aliança
Sobre a mesa aniquilada.
Ondas de púrpura,
Levantai-vos do homem.


9


Penacho da alma,
Antiga tradição futura:
?Se a alma não tem penacho
Resiste ao Destruidor?


10


A velocidade se opõe
À nudez essencial.
Para merecer o rompimento dos selos
É preciso trabalhar a coroa de espinhos.
Senão te abandonam por aí,
Sozinho, com os cadáveres de teus livros.



11


Pêndulo que marcas o compasso
Do desengano e solidão,
Cede o lugar aos tubos do órgão soberano
Que ultrapassa o tempo:
Pulsação da humanidade
Que desde a origem até o fim
Procura entre tédios e lágrimas.
Pela carne miserável,
Entre colares de sangue,
Entre incertezas e abismos,
Entre fadiga e prazer,
A bem-aventurança.
Além dos mares, além dos ares,
Desde as origens até o fim,
Além das lutas, embaladores,
Coros serenos de vozes mistas,
De funda esperança e branca harmonia
Subindo vão.



Murilo Mendes, Poesia Completa e Prosa, Nova Aguilar, 1994.

18.4.11

e molhados...



Agonizo se tento
Retomar a origem das coisas
Sinto-me dentro delas e fujo
Salto para o meio da vida
Como uma navalha no ar
Que se espeta no chão
Não posso ficar colado
A natureza como uma estampa
E representá-la no desenho
Que dela faço
Não posso
Em mim nada está como é
Tudo é um tremendo esforço de ser...

7.4.11

Reconhecer


"...Depois de um tempo, mais nada junto comigo. Negro ne­gro. Espaço que eu não sei. A cada ins­tante pene­tro mais nessa névoa desconhe­cida, cada vez mais sou menos, e dessa forma, menor vai se fazendo o tempo  do regresso. Prometo retor­nar. E agora que já não consigo divisar o parque, quando meu olho se fe­cha ou parece que se fecha deva­gar mas na realidade se torna baço, agora antes que o agudo no ventre me venha outra vez, neste instante em que sou dono de todas as promessas, quando começa em mim o espaço face­tado, vertigi­noso, antes do poço, antes do escuro mais pleno, antes de mim mesmo e do meu instante que cada vez mais se aproxima, eu te abençôo, vida. Eu te abençôo."                                  Mora Fuentes
                                        

10.2.11

     




   Do not fear the poet in his noble anger; his letter kills, 
but his spirit gives life to spirits.


The Angry Poet, Hölderlin

Mundo, mundo, vasto mundo...

  • via *Georges Gaudy* (1872-1940) est un artiste belge. *Georges Gaudy* (1872-1940) was a Belgian graphic artist and painter.
  • Muito abalada, Marilyn Monroe, na companhia de seu advogado, recebeu um turbilhão e jornalista à porta de casa em outubro de 1954. Alegando “crueldade men...
  • Asilo Se o sonho, fraturada primavera, não retorna O que fazer do inverno? Ressonhar o verão, talvez o outono, saciar-se com o gosto de alguma brisa carí...
  • Filmed for Erwin C. Dietrich's Elite Productions, this 1977 voodoo thriller was shot under the title RUF DER BLONDEN GOTTIN. This was one of Franco's fi...
  • Alto, magro, reconhecido pelo público pela sua maneira de falar lenta e hesitante, James Stewart encarnou como ninguém a figura de um homem correto, tornou...
  • Esta é uma postagem pessoal que preparei no dia da morte de Belchior, e agora reproduzo aqui em homenagem repetida a nossos companheiros do Ceará. ALGUMAS...
  • *“Era socialista, feminista, crítica de cine, y no tenía miedo de decir lo que sea. Aprendió Inglés yendo a las obras de teatro que ella amaba. Llevaba u...
  • Gustave Courbet Dedico-me atualmente a ler um mapa. Sei que nele estão estampadas as fadigas do tempo, mas como é difícil, meu deus, delimitá-las se estã...
  • "Eu sou como eu sou vidente ...
  • No tempo de um desenho, despedi-me hoje num dia de chuva, da “minha sala” em cima do Tejo, virada ao sol. Sem dúvida a sala de desenho mais bonita de Port...
  • Olhares mirabolantes aos milhares elaboram palavras que falam sem som Olfatos sensíveis de fato aspiram sentido no fragor do incenso Incêndios na pele infl...
  • Tuítas? Estou lá!
  • *Photobooth: A Biography*, de Meags Fitzgerald *Pedro Moura* O encontro interdisciplinar entre a banda desenhada e a fotografia não é de forma alg...
  • See PostSecret videos, discover new PostSecret links, pre-order the new PostSecret book. Visit '*The World of PostSecret*'.
  • [image: yog_poster.jpg] Click to super-size! [image: yog_turkishposter.jpg] Turkish poster [image: yogmonsterfromspace_belgi.jpg] Belgium Poster [image: y...
  • CINEMA 2010 Os melhores filmes vistos nos cinemas & centros culturais: *1. A tomada do poder por Luís XIV **** (Rossellini, 1966) *2. No quarto da Vanda...
  • o meu outro eu dança agora aqui.